quarta-feira, 24 de julho de 2013

QUANDO SE AMA DE VERDADE


Quando se ama de verdade, compreende-se que em qualquer circunstância, se
estava no lugar certo, no momento certo.
E, então, pode-se relaxar.
A isso dá-se o nome de: auto-estima.
Quando se ama de verdade, pode-se perceber que a angústia, o sofrimento
emocional não passa de um sinal de que você está indo contra as suas
verdades.
A isso dá-se o nome de: autenticidade.
Quando se ama de verdade pára de se desejar que a vida fosse diferente e
começa a ver que tudo o que  acontece contribui para o seu cresci

mento.
A isso dá-se o nome de: amadurecimento.
Quando se ama de verdade começa a perceber como é ofensivo tentar  forçar
alguém alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que se
deseja, mesmo sabendo que não é o momento ou que a pessoa não está
preparada.
A isso dá-se o nome de: respeito.
Quando se ama de verdade, começa a se livrar de tudo que não é saudável.
Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que pode colocar-nos para baixo.
De início, a razão pode chamar isso de egoísmo.
Hoje, isso dá-se o nome de: amor-próprio.
Quando se ama de verdade, deixa-se de temer  o tempo livre e desiste-se de
fazer grandes planos, abandona-se projetos megalomaníacos.
Passa-se a fazer o que é certo, o que se gosta quando quer no seu próprio
ritmo.
A isso dá-se o nome de:  simplicidade.
Quando se ama de verdade, desiste-se de querer ter sempre razão e, com
isso, erra-se muito menos.
A isso dá-se o nome de:  humildade.
Quando se ama de verdade, desiste-se de ficar revivendo o passado e de se
preocupar com o futuro.
Portanto, deve-se manter  no presente, que é onde a vida acontece.
Deve-se viver um dia de cada vez.
A isso dá-se o nome de: plenitude.
Quando se ama de verdade, percebe-se que a mente pode te atormentar e te
decepcionar.
Mas quando você se coloca a serviço do seu coração, a mente se torna uma
grande e valiosa aliada.
A isso dá-se o nome de: saber viver!
A gente não deve ter medo dos confrontos.
Até os planetas se chocam   e dos caos nascem as estrelas.


(Autor Desconhecido)

CORAGEM

Em uma terra em guerra, havia um rei que causava espanto. Cada vez que capturava inimigos os levava como prisioneiros a uma sala.
No local havia um grupo de arqueiros em um canto e uma imensa porta de ferro no outro. Em frente a essa porta havia figuras de caveiras cobertas de sangue.
Então o rei fazia os prisioneiros ficarem em círculo e dizia:

    - Vocês podem escolher: serem flechados pelos arqueiros ou passarem por aquela porta e ficarem lá para sempre.

Todos os que eram questionados escolhiam morrer pelas mãos dos arqueiros. Ao término da guerra, um soldado que por muito tempo serviu o rei, perguntou:

    - Senhor, o que há por trás de tão assustadora porta?
    - Vá e veja. 
O soldado então abriu a porta devagar e percebeu que os raios de sol foram adentrando e clareando o ambiente. Quando olhou, ficou surpreso ao perceber que a porta levava rumo à liberdade. Então, o rei lhe disse:

    - Eu dava a eles a escolha, mas preferiam morrer a arriscar abrir esta porta.
E você, quantas portas deixou de abrir pelo medo de arriscar? Quantas vezes deixou o medo fechar a porta dos seus sonhos?

terça-feira, 9 de julho de 2013

Eu?!

“Um amigo me pediu que o ajudasse a curar suas dores. Peguei as minhas, coloquei-as no bolso e fui... "


Nós vivemos reclamando de nossas dores.
Vivemos perguntando a Deus, ao Universo (já que ele conspira ao nosso favor!?) o por quê que certas coisas acontecem com a gente. Por quê adoecemos? Por que tudo é tão difícil  Por que nossos sonhos não saem da nossa cabeça? Por quê que tem que ser assim?

Sabe, tem pessoas que não me conhecem, e até as que me conhecem acham que sou de ferro, ou melhor... de Aço, pois estou sempre me mantendo de pé apesar de tudo. Sinto minhas dores, mas quando sinto a dor do outro, ponho a minha no bolso, dessa eu cuido mais tarde, pois é mais fácil cuidar do outro, assim esqueço um pouquinho de mim. Quando falo de dores, falo da dor física e da emocional também. Dói saber que o futuro que me aguarda não será muito agradável  mas ao mesmo tempo convivo com pessoas que não sabem nem se terão futuro. Não tenho escolhas, a vida não me deu essa opção,(será que não? e o papo da reencarnação, de pagar as dividas, de evoluir?).
Vivo o dia de hoje, e tem dias que não são nada bons, já outros se superam... Ou eu me supero. 

Eu não quero passar o resto da vida, levando a vida e ela me levando, quero a plenitude da minha existência  e sei que vou conseguir, é só ter um pouco de paciência. Sei que estou no caminho certo.
Muitas vezes eu dou colo, mas quase sempre eu preciso de colo, pena que o meu jeito de ser não demostra isso ás pessoas, sempre estou rindo, principalmente de besteiras, mas quando choro, é porque o negócio é sério.
Então como o Chorão dizia em sua canção, estarei vivendo, "dias de luta, dias de glória".